sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

A noitada na Serra do Japi



Albanão também foi certa vez a Jundiaí num aniversário de um camarada. Neste aniversário tinha um pouco de quase tudo: camaradas, goro, rock´n´roll. Lembra-se de que, após os seus camaradas mandarem brasa num som, convidaram para fazer um role na Serra do Japi. Foi uma balada e tanto, em volta da fogueira, rolando Jethro Tull no carro, muito bom. Vários cigarrões, muito céu estrelado, numa escuridão de dar inveja. Tinha um Zé Mané que até hoje não se garante, não tem segurança de si, que ficava querendo se aparecer e falando comigo querendo tirar um barato. Só lembro de que fomos dormir na casa de um camarada altas horas. No dia seguinte ele pegou carona com a Iva, que muito nervosa e tagarela, deu uma batida no carro na estrada, em uma curva de acesso. E depois ainda ela que falou que o Albano ficou nervoso, imagina! A mulher parecia uma tagarela.
Albanão também achou muito boa também uma visita que fiz à Serra durante o dia, até uma cicatriz guarda. Vindo da Mogiana, antiga estrada férrea da FEPASA, extinta pelo regime neoliberal adotado no centro do capitalismo nos anos 1990: o Estado de São Paulo. Era possível fazer uma imensa viagem, de Casa Branca, passando por Campinas, até Jundiaí. Albano tem lembranças desde Agostinho, que fizera viagens até para Minas neste mesmo trem. O percurso para quem vinha de CB até São Paulo durava 8 horas aproximadamente. Era só para os loucos que encaravam e ousavam.

Outros causos do interior Mogiano

Um carnaval em Mococa



Certa vez, a convite do Tocão, Augusto foi passar alguns dias do carnaval em Mococa. Ele já conhecia a cidade devido ao fato de seu pai ter alguns parentes em Mococa, especialmente seu padrinho. Bom, Augusto só sabe que foi. Tinha um tio do Tocão, o Jamicão, que andava numa perna só. Já conheciamos o Jamicão, pois ele saia para os cantos conosco, ficava falando em assar uns brontossauros, além de mandar brasa em vários beques.
Este Carnaval foi engraçado, pois ele vivia falando da Débora, uma biscate que andava com suas amigas. Ele a chamava de Debrinha pra lá e para cá, parecia estar embasbacado pela Piranha, queria dar uma dentrinho dela. A noite veio, e nós mandando na cachaça. Era muito cheia, muitas gatas e barangas. Tinha um moleque primo do Toco, o Lucci, que ficava inventando um monte, que tinha comido uma veia, não sei o que lá mais. O Augusto só lembra de um noinha traficante que veio para cima do Toco. Era ciúme por causa de xana, mas a mina deste cara era uma bêbada que caia no chão de cara. Conseguiram contornar a situação e desarmar a situação.
Tinha um carinha cheio de história também, de idéia, falando com o Augusto. A Animação era no meio da rua, até o Jamicão de perna torta pulava. O Augusto sabe que ainda deu tempo para voltar no último dia para CB e ainda dar uns amassos numa fedozinha, no último dia do carnaval. Foi bom pra valer, ao menos para ele tirar uma casquinha das coxas grossas num banco de jardim.

Seguidores

Pilotando a banheira do Manoel nas dunas

Pilotando a banheira do Manoel nas dunas
seguindo após Pitangui até Muriú-RN

Tatoo you

Tatoo you
Woman of night; Strange kind of woman; Lady in black; Lady evil; Princess of the night; Black country woman; Gipsy; Country Girl

Caricatus in 3X4

Caricatus in 3X4

Outra caricatus

Outra caricatus
Desenhista do bar e restaurante Salada Record

Mix, podi mandá "uma" aí?

Follow by Email