terça-feira, 7 de julho de 2009

Os mutantes e o Arnaldo: Singing alone


Balada do louco
Sobre Os mutantes, o que dizer?
Só me lembro que foi a maior surpresa encontrar um disco dos caras (este ai do lado, o segundo, de 1969) numa loja na Avenida José Joaquim Seabra, perto da antiga casa em que eu morava, no J. São Domingos, em um lugar onde nunca imaginaria encontrar um disco de rock, ainda mais nacional. Faz um bocado de tempo isto, mais de 12 ou treze anos, e eu achei coisas boas lá também: o primeiro do Som imaginário, o disco do Zé Ramalho que tem a Zyliana, o Opus Visionário (esta faixa, infelizmente, está pulando; penso que todos estes discos da loja estavam com defeito, pois haviam muitos, em série).
O disco é bem antigão, com esta capa ai de cima, na contra capa, tem um texto sobre a música comercial, que se assumia mesmo, sem hipocrisia (pois o que não é para se vender na indústria cultural, numa sociedade de consumo? Ao menos, são sinceros e autênticos, diferente de muitos, hoje em dia) a propaganda que fizeram para a Shell, algo mais. Era o segundo disco, Mutantes apenas, que tinha 2001, Qualquer bobagem, composições com o Tom Zé. Além disso, tinha o Dom Quixote, Caminhante Noturno, entre outras maravilhas de composições. tem os fantásticos arranjos do Rogério Duprat (um mestre da época do tropicalismo, manda bem em tudo que fez com Chico, a Banda tropicalista).
Agora, assistindo o filme sobre o Arnaldo, avaliei como bem completo, deu para relembrar de seus discões, com o próprio Mutantes. Eu vi umas avaliações meio ruins sobre discos que adoro, o Tudo foi feito pelo Sol, o A e o Z, da fase progressiva. Não concordei muito com que disseram alguns entrevistados, acho que o Lobão foi um deles, se não me engano.
O que é muito interessante do Loki  (será que eu vou virar bolor? e a se tá pensando que eu sou lóki?, principalmente, que são tocadas no filme) é que trata de coisas autobiográficas, ele fala da casa na Cantareira, bem como o Singing alone, que também encontrei o vinil faz tempo no mesmo lugar, além do Patrulha no espaço (as melhores musicas Cortar Jaca e a do Trem). E isso foi bem visível do seu irmão falando sobre a incompreensão da grande mídia, dos boatos e fofocas, que quase levaram mais uma cara genial a incompreensão e ao suicídio.
Seja a partir da felicidade ou da melancolia, o Arnaldo conseguia fazer música. Era um incompreendido, ainda é, para muitos que o tomam apenas pela pose ou apenas pelo lado das drogas (gostei de ver a pintura dele), quase 40 anos depois.
Felizmente eu estava lá, vendo os mutantes naquele aniversário da cidade no Ipiranga em 2007, e pude ver os caras tocarem juntos, o que se repetiria depois no ano passado, na virada, mas nem vi inteiro (fui ver outra pérola junta, o Som Nosso de cada dia). Nunca mais esquecerei isto na minha vida inteira.

Os primeiros rebentos: folhetos primordiais





Segue para vocês verem os primeiros rebentos: uns folhetos de que falo em algumas partes deste blog, que eu divulgava em um monte de lugar (até em outros Estados, como Minas Gerais levei, e também para um pessoal conhecer no RN).







Também coloco a experiência, o resultado final de fazer dois livretos e a participação no Grupo Tabefe, companheiros que respeito demais, como o Aguinaldo, o Adriano, entre outros. Houve uma discordância quanto ao método de se chegar ao povo com a poesia, não consegui acompanhar mais as reuniões do grupo, seja por milhares de outros compromissos assumidos também, mas continuei na luta e respeitando estes companheiros, das quais participei nestas duas revistas-formato fanzine.



Também sairam alguns versos toscos, tortos e porcos, numa antologia organizada pelo Wilson Guanais (na época nem tinha e-mails e blogs, tinhamos que fazer tudo na moda antiga: mandei cartas mesmo para um camarada, este Wilson, que estava organizando uma coletânea, e a bicha saiu com alguns escritos meus). Já coloquei a imagem no post sobre a antologia. Vejam lá para trás:







Nunca tive a pretensão ou a preocupação de escrever "bem" - "bem", para quem mesmo? em que contexto, e em que época se escreve "bem"? aliás, o que é bem ou bom, mesmo?).
Foda-se a busca pela perfeição e o idealismo metafísicos de uma busca pelo ideal - "o homem que busca um ideal vai além dele", diria o grande Frederico.

Jards Macalé: um Vampiro na porta principal de Gotham city



Saiu por estes dias, ainda quero assistir (e o bom é que será na faixa, num festival de cinema latino-americano que está rolando neste final de semana no MIS), um filme sobre o Macalé, um vampiro na porta principal.
O Macalé e um daqules caras de primeira hora, que andou com poetas da estatura de um Torquato Neto (aquele anjo torto, que tentou e conseguiu o suicídio), o Wally Salomão (Sailormoon?), com o qual fez a "vapor barato", que arregaçou ao som da guitarra do Lanny Gordin no show FA-TAL, da Gal; além do próprio Serjão Sampaio aqui antes já homenageado, e que o próprio Jards prestou e participou de uma homenagem neste último final de semana. É do Sérgio Sampaio a homenagem do maluco da idéia ao Torquato Neto, o suicidado da sociedade tropycal, aquele poema que postei antes sobre o Sergião.
O Jards também passaria pelo samba de breque, no ótimo disco "4 batutas e um coringa", um disco em que passa por Lupiscínio, por Paulinho da Viola, Nelson Cavaquinho e Geraldo Pereira na voz do Jards; aliás, sempre houve o bom e velho samba em sua obra, ainda que tenha flertado bastante com o rock na época do Torquato, assim como o Serjão, fazendo seus experimentalismos, sempre querendo complicar mais e mais, nunca facilitar. Sempre foi autêntico, nunca preferiu o caminho fácil de gravar Peninha ou com o Rei Roberto pra ganhar mais uns milhares, aliás, como Tom Zé, Jorge Mautner, todos os autênticos daquela época e de hoje que participam do "Banquete de mendigos".



O máximo do Jards é que ele não perde nunca o humor: ainda que tenha comido demais a farinha do desprezo, não chora pitangas. Antes de executar "Positivismo", do Noel Rosa, o mesmo anuncia que está fazendo uma campanha cívica para colocar o AMOR na bandeira do Brasil. Sim, pois, desprezaram a lei de Comte, neste caso: o AMOR como princípio, a ordem como base o o progresso por finalidade. Só ele mesmo para dizer isto e tentar consertar o país.

Vai ai Let´s Play that, com letra do Torquato e musica do Jards:



"quando eu nasci
um anjo louco muito louco
veio ler a minha mão
não era um anjo barroco
era um anjo muito louco, torto
com asas de avião

eis que esse anjo me disse
apertando minha mão
com um sorriso entre dentes
vai bicho desafinar
o coro dos contentes
vai bicho desafinar
o coro dos contentes
let's play that"

domingo, 5 de julho de 2009

Cruel: uma homenagem ao Sérgio Sampaio


Taí um cara que passou sua vida praticamente no ostracismo, e felizmente agora está sendo redescoberto, que passaram maus bocados e muito tempo na janela. Eu estou falando do Sérgio Sampaio.
O Sergião começou a sua carreira vindo de Cachoeiro de Itapemirim-ES. É portanto um capixaba de mão cheia. Ele participou do disco da Sociedade da Grã-ordem kavernista, por volta de 1971, ao lado de Raulzito Seixas, Myrian Batucada e Eddy Star. Fez coisas como "Êta vida, Sessão das 10; Doutor Paxeco; Eterno Carnaval", entre outras.
Daí o Sérgio resolveu fazer um disco solo, que lhe rendeu um certo reconhecimento por parte do grande público, (o compacto vendeu centenas de milhares de cópias): o "Eu quero é botar meu bloco na rua", de 1972, um posicionamento sobre a Ditadura militar vigente na época. O Disco contava com boas coisas, do rock ao samba de breque, como "Cala a boca, Zebedeu"( cantada pelo Jards), "Raulzito Seixas", "Eu sou aquele que disse", "Leros&Leros&boleros" (cantada pelo Jards) entre outras.
O Caminho do samba de breque estaria mais presente em seu segundo disco, "Tem que acontecer", de 1976, que traz coisas boas, como esta música "Que loucura", a melhor, na minha modesta opinião, dedicada ao poeta suicida Torquato Neto:

"Eu tô doente do peito
To doente do coração
minha cama já virou leito
Disseram que perdi a razão

Eu tô maluco da idéia
Guiando o carro na contramão
Desci do palco fui pra platéia"

Ou a que adquiriu um reconhecimento maior na voz do Zeca Baleiro em 1997, com a música "Tem que acontecer", a faixa-título: Eu dara tudo pra não ver você baleada (...) eu sou apenas um compositor popular"

O Sérgio Sampaio sempre esteve cercados de caras da antiga, como o Jards Macalé, que também tomaria o rumo do samba de breque, após a passagem com a tropicália, mais especificamente Torquato, além de Luiz Melodia, ao qual temos a foto fantástica acima com o Sérgio.
O Sérgião Samapio faleceu em 1994. Agora estão realizando o projeto Cruel, que envolveu o Zeca Baleiro na busca de seu disco póstumo, assim como o Jards e o próprio Melodia. Este final de semana frio de Julho em São Paulo fizeram um show em sua homenagem no Sesc Pinheiros. Ainda é pouco, mas valeu.
Segue algumas fotos da mostra no corpo deste post (que em breve disponibilizarei, desde que encontre um cabo do celular da Cléia).

As minas de ouro do rei Dalton Salomão



Coloquei um disco antigo do Santana, o Borboletta, para alegrar um pouco este Domingão sem muita promessa. Foi o primeiro bolachão do Santana que comprei, no sebo Red Star. Antes ele tinha três lojas só em Pinheiros (excluindo a da Lapa e a do Centro): uma na Cardeal, na Teodoro e outra na Lacerda Franco. A audição deste disco levou-me a tempos idos. Lembrei da camaradagem do Dalton, um companheiro que estudou lá na EESG Nasser Marão, há mais de quinze anos atrás. Como já disse, foi um ano muito bom em amizades verdadeiras, sem confete e serpentina, amizades de graça.
O Daltão era um cara que gostava muito do Raul Seixas. Ele morava em um conjunto de prédios, o Jau no Butanta, bairro do Bonfiglioli. Várias vezes que as aulas terminavam mais cedo ou algo ocorria de anormal, passávamos em sua casa. E acabávamos por ouvir e conhecer diversas pérolas musicais que escuto com maior gosto até hoje em casa.
O In-a-gadda da vida do Iron Butterfly, Jimmi Hendrix, o Cheap Thrills da Janis eram algumas das raridades da coleção que herdara de seu pai. Sem contar coisas que era mde tirar o chapéu, como o Phoenix, do Grand Funk, o Houses of the Holy, o Fireball do Purple, O Benefit eo Thick as a brick, o Living in the past do Jethro Tull (uma das primeiras coisas sobre o que conversamos). Com certeza lancei na mão algumas fitas k7 do camarada para gravar.
Por falar do Santana, o primeiro disco do Santana Band, aquele que mulheres africanas com suas saias formam a cara de um leão e sua juba. Tinha tanta coisa boa que fica até difícil de lembrar agora, compactos do Creedence, do Mungo Jerry, sem contar o Aftermath dos Stones, diversos Beatles. O Who´s Next, O Meddley do Pink Floyd (e outros que ele foi encontrando depois, pois alguns estavam na casa do seu primo) e por ai vai.
Depois com a confiança, o camarada até emprestava os discões de seu pai. Tem coisas que só depois de algum (muito) tempo fui achar, mas deu trabalho a doidado: o disco do Funkadelic, Maggot Brain, e aquele no NY Emsemble, o Roll Over. Este foi raro mesmo. Ele também tinha o Close to the edge do Yes, o Trilogy do Emerson, Lake and Palmer, o Aphostrophe do Frank Zappa
Tudo isso era como um tesouro, um baú cheio de ouro ali diante de nossos olhos e ouvidos atentos. E foi uma marca que carrego até hoje na alma rock and roll.



Segue ai um poema que encontrei depois de um tempo no meio da papelada, que só lembro o começo:

"Abraxas tu me abraças"
(...)

Prometo tentar lembrar o resto, pois foi o coração que apertou de saudade dos bons tempos.

A chuva continua caindo

27 de Junho de 2009

Ele andava na rua, sem nenhuma expectativa de amanhã ou mesmo hoje à noite. Tomando chuva, sua roupa, seu cabelo e tudo o mais encharcava. Tinha sensação de que poderia se foder, mas, ó céus, como poderia se foder mais que aquilo? Enquanto via crianças do mangue catando a xepa da feira daquele Sábado, pensou sempre há uma buraco mais embaixo.
Como poderia cair mais embaixo? Mas aqueles que estão por baixo sempre caem mais um pouco. Então pensou: -”qual será o próximo golpe da sorte?” Ele vivia escapando das facadas, das pessoas com sorriso amarelo, que cravavam punhais nas costas. A sua vida era escapar de uma luta de facas, essa era uma boa imagem. Lembrou-se de seu camarada Cridão, que, ameaçado no meio do mato, esquivou-se de dois golpes de faca e deu um chute na mão do cara ainda. E saiu correndo daquela roubada.
Continuou sua caminhada naquele inicio de noite, pensando o que fazer naquela megalópole sem muita expectativa para ele, para a maioria dos seus e de milhares de pessoas como ele.

Seguidores

Pilotando a banheira do Manoel nas dunas

Pilotando a banheira do Manoel nas dunas
seguindo após Pitangui até Muriú-RN

Tatoo you

Tatoo you
Woman of night; Strange kind of woman; Lady in black; Lady evil; Princess of the night; Black country woman; Gipsy; Country Girl

Caricatus in 3X4

Caricatus in 3X4

Outra caricatus

Outra caricatus
Desenhista do bar e restaurante Salada Record

Mix, podi mandá "uma" aí?

Follow by Email