terça-feira, 28 de dezembro de 2010

É tempo de festas

É tempo de festas, todos se reúnem
Fingem-se de santos, estão mais espirituosos
mas cometem os mesmos pequenos
delitos do cotidiano de sempre
A família se reúne para a ceia de natal
arrotando o perú azedo e assistindo
os mesmos programas de sempre na TV
e negam um prato a uma criança pobre na rua
Confraternizam, mas rolam soltas as fofocas
as intrigas comezinhas e mesquinhas
O patrão e o banqueiro sonegando impostos
prejudicando a saúde e educação públicas
são os primeiros a resmungar a carga tributária
O papa berra contra o aborto, a homossexualidade
em nome da sagrada e a santificada moral
mas fecha os olhos para a pedofilia na igreja
O sujeito que reclama da corrupção no país
vai logo subornando o guarda no trânsito
em qualquer infração cometida
Todo grande moralista é um verdadeiro filhadaputa cínico
Os imoralistas na verdade é que são santos malditos
pois fazem o que fazem sem disfarçar
nem posam de virgens santas e puras num inferninho
Ao menos sabemos o que são e o que fazem
não usam disfarces de santos do pau oco

domingo, 26 de dezembro de 2010

espírito natalino, papai noel e JC de carne e osso

Sou um agnóstico secular,  tenho meus pés atrás quanto à metafísica e religião, desconfio nos do consumismo frenético ianque que transformou o velho batuta num velhote sacana que só beneficia os ricos e cospe nos pobres no natal, que é o nascimento, a geração, a vida nova.
Mas também procuro entender as coisas, as tradições, com menos chavões, mais consciência. A preocupação com o nascimento se demonstra em milenares pinheirinhos, árvores de natal, uma tradição profunda, preocupada com este nascimento que vai além da simples identificação do consumismo, de indigenas que presenteavam as crianças, como um rito de passagem e de iniciação, que demonstravam as regras e costumes sociais, segundo o pensamento e alma selvagens. Pensamento que ajuda compreender o nosso próprio e a tradição ocidental, como estudou o velhinho que este entre os tristes trópicos, Levi-Strauss, que a partir da queima do boneco da santa claus em Dijon 1951, escreveu O suplício do papai noel, a partir do seu método de antropologia estrutural. Ele chegou a uma tradição pagã, rural e agrária, seja ela germânica ou nórdica, ou mesmo  identificada com as saturnais romanas, que ocorriam entre 17 e 24 de dezembro. Eis que portanto, o papai noel é mais uma crença dos adultos, uma necessidade de acreditar nas crianças. Pouco tem a haver com o ícone atual representante ocidental da sociedade de consumo, um dos ícones do capitalismo que se transformou.


Fizemos uma comemoração do aniversário de JC para os íntimos no apê do meu cunhado cordelista fernando na Marques de Paranaguá com a Augusta lá embaixo no centro. JC foi o santo maluco, mor pois os malucos são santos que sangram, passam por tentações e provações e pelo seu próprio calvário. Nada de idealizações metafísicas estúpidas, ele foi de carne e osso, sangrava, fedia, suava. Nasceu pobre numa manjedoura. Ele pode ser identificado muito mais com um motoqueiro nas estradas, um Che guevara dos acostamentos, revolucionário desafiando o império, como pintaram o Sá, rodrix e guarabyra, do que um santo chato e careta enfurnado em uma igreja sacaneando os pobres. JC esteve entre nós cantando músicas conosco na roda e cantando poemas enquanto Também estavam presentes iansã, iemanjá e todos os orixás da umbanda, dançando e cantando e declamando poesias, pois são corpóreos e naturais e dançam. Desconfie de todo deus velho e rabugento que não dança, já nos alertava Nietzsche.
Eis que foram lidos poemas, tocado violão, percussão, tomamos uma seleta que estava uma delícia, a cerveja congelou, pra fazer as vezes com a pinga, alguns ainda tomavam vinho ou uísque. E dá-lhe cantoria , muita música brasileira, nordestina, samba, e um pouco de tudo, poetagem até cinco e quinze da manhã. Depois demos ainda uma volta pelo Bixiga, pois ali estávamos perto, e fomos pra casa dormir seis da manhã.

Seguidores

Pilotando a banheira do Manoel nas dunas

Pilotando a banheira do Manoel nas dunas
seguindo após Pitangui até Muriú-RN

Tatoo you

Tatoo you
Woman of night; Strange kind of woman; Lady in black; Lady evil; Princess of the night; Black country woman; Gipsy; Country Girl

Caricatus in 3X4

Caricatus in 3X4

Outra caricatus

Outra caricatus
Desenhista do bar e restaurante Salada Record

Mix, podi mandá "uma" aí?

Follow by Email