quinta-feira, 19 de julho de 2012

nas terras dos cabras que derrotaram os cangaceiros de Lampião


Na rua cheia de flores do Alecrim, na dez na tres e na vila da aeronáutica, uma andança descompromissada, o vento brisa desalinha meu cabelo e refresca o calor de minha barbas na face. Eu chupo um picolé de jaca pra refrescar o calor por dentro, depois mando mais um de mangaba, o calor é pra derreter os miolos. Na beirada da praia, eu vejo aqueles lanches, hot dogs, baurus. Tem um menino com cara de malvado, cabeludo, magro camiseta do palmeiras, com notas de vinte na mão. Garotos de vidas na rua sempre serão mais ligeiros e espertos na sobrevivência. Tem gringras, argentinas, mas as nativas de coxas e bundas bem feitas são imbatíveis, douradas de sol. Tem uma característica ímpar. Aqueles sanduíches com pães amarelados são sagrados, muito caprichados e bem servidos, eles salvam minha vida no calçadão da praia dos artistas. A brisa suave da noite me refresca do calorão medonho em pleno inverno em Mossoró. Tem macaxeira, carne de sol, carne de charque, carneiro, cuzcuz, tapioca, tudo que deixa os cabras arrochados e fortes pra andar no sertão. E um toque de lirismo, pois como uma pinha, a fruta do conde que apanhei do próprio pé, além de acerolas que colhi na altura da mão.








segunda-feira, 16 de julho de 2012

cenários potiguares



Um congresso em que o sonho se fez presente. O surrealismo, a energia e a pulsão tomando chimarrão. Para quebrar a passividade e a acomodação. Depois de ir embora mais uma vez de trem, fui assistir Na estrada, filme do ano, no cinema. A noite viajaria para longe, farpas trocadas por mensagens telepátiacas. Lendo os diários Não expurgados de Anais Nïn, após devorar os livros de  Helder, Apollinaire, Nerval, a espiã na casa do amor da própria Nin entre outros tantos. Chego em Natal, o friozinho nos recebe, com chuva, na madrugada. Uma hora para chegar em Pitangui, Extremoz. As dunas e coqueiros valem a pena, compensam meus glóbulos vermelhos, assim como escorrego pelas areias nas palhas e nas sombras dos cajueiros, a noite haverá festa de são Pedro fora de época. É churrasco, cerveja, uísque, ice e tudo do bom, forró com direito a poeta cordelista do conjunto residencial Santa Catarina e Panatis. A farra vai até o dia seguinte pela manhã, bebos homens e de ressaca pelos supermercados, buscando mais bebida para curar a ressaca. Caminhamos sob a brisa, mais chuva, até a viagem de volta a Pitangui. Desejos noturnos, sensualidade desenfreada, não troco nada pela minha rede, com a brisa que só tem aqui. Muitas muriçocas, que nos sugam o sangue das pés e mãos descobertos. Anais me faz companhia, junto de Artaud e Henry Miller. Manhã passear pela praia, andando entre lagostas, polvos voadores e lulas no ar, piso sobre manjubinhas, falar com pescadores, caminhada pela areia picolé de cajá graviola. Manjando um peixinho cioba com pimenta e milho boliviano, nas dunas da lagoa de pitangui, entre coqueiros e cajueiros, tomando uma pina colada.O abacaxi levanta o seu chapéu e começa uma dança de esquibunda.

Dia dos namorados fingidos

No dia dos namorados todos fingem, dissimulam
Levando flores para amores falsos
como compram flores na frente dos velórios
carregando o amor para o túmulo

caminhamos sob as árvores, 
derramando seivas, aromas, perfumes
tomamos vinho na taça de um cranio
e faremos amor no desespero


Seguidores

Pilotando a banheira do Manoel nas dunas

Pilotando a banheira do Manoel nas dunas
seguindo após Pitangui até Muriú-RN

Tatoo you

Tatoo you
Woman of night; Strange kind of woman; Lady in black; Lady evil; Princess of the night; Black country woman; Gipsy; Country Girl

Caricatus in 3X4

Caricatus in 3X4

Outra caricatus

Outra caricatus
Desenhista do bar e restaurante Salada Record

Mix, podi mandá "uma" aí?

Follow by Email