sábado, 16 de julho de 2011

O aviso da epígrafe à Women

Muito cara legal foi parar debaixo da ponte por causa de uma mulher. 
Henry Chinaski



Quando a noite cai
                              com ela vem as loucuras
Sobre o homem
                               Perde o sono e o juízo
Começam suas pirações
                                Doideiras e ilusões

Circula em trilhos urbanos
                       Delírios por uma pequena
jogando seus aviões de papel
                           Como um pequeno anjo
Um ser alado, o cupido
                             disparando suas flechas

Anda em torpor
                             de uma bebedeira onírica
Deve estar sonhando
                               Ele é aquele mendigo
sob o viaduto
                                 Que pôs tudo a perder.

Lilithianas


Lulu Louise, a caixa de Pandora
Lola Dietrich, um Anjo Azul
Giulllieta Cabiria em noites romanas
Nanna Karinas vivem a vida
Séverines Deneuve belles de jour
Iris Foster em um taxi de Nova Iorque
Cass Ornella, a mais linda da cidade
As memórias de uma gueixa

Sorte é ser amado por estas santas
Madalenas Querubinas Serafinas
Conheces amor verdadeiro
Algo demais precioso
Do modo mais sincero
Entregam seus beijos
Escolheram teu coração submundano 
entre todos os outros
És um sujeito de sorte e feliz
Ainda que suas Tristessas sejam grandes

Fanny Hills
Cândidas Erêndiras
Teresas Batista filósofas
Degaldinas tristes
Visitadoras de Pantaleon
Tietas do Agreste
Julias amante do filho do Coronel
Bias jogando aviõezinhos de papel

quarta-feira, 13 de julho de 2011

Sinfonia do amor

O nosso amor é como uma sinfonia
                                            Tocam clarins e clarinetes, flautas doces e tubas
Entre nossos gemidos ávidos de paixão: nossa forma de orar
                                     Crescem os sons dos metais das cordas e percussão
Por todos os amantes entregues à lua
                                    Enquanto anjos negros caídos tocam blues e boleros
Amamo-nos sobre lençóis cheios de pecado
                                                          Sentimos na carne o arrepio da lascívia
Em quartos escondidos e esquecidos no tempo

É imensamente estrondorosa
                                            Ainda que silenciosa e
Medonha esta vida trágica
                                             Com suas doredelícias
A dualidade do prazer e da dor
                                                Do amor e do ódio
Da fúria e da paixão
                     São como música para nossos ávidos ouvidos

Você fica linda como uma Fúria
                                 Ou uma Bacante enlouquecida
Quando está brava
                                           É uma loba ensandecida
Morde boca queixo e pescoço
          Quando fazemos amor é coisa de outro mundo
Chegamos ao êxtase do paraíso ao
                               Queimarmo-nos juntos no inferno

Nosso amor é velado e reprimido
                                          Proibido banido e bandido
Deixa cicatrizes na alma e
                            Uma cirurgia de apêndice na barriga
Como tatuagens desbotadas
                                                        no fluir do tempo
o Vir-a-ser das coisas

Seguidores

Pilotando a banheira do Manoel nas dunas

Pilotando a banheira do Manoel nas dunas
seguindo após Pitangui até Muriú-RN

Tatoo you

Tatoo you
Woman of night; Strange kind of woman; Lady in black; Lady evil; Princess of the night; Black country woman; Gipsy; Country Girl

Caricatus in 3X4

Caricatus in 3X4

Outra caricatus

Outra caricatus
Desenhista do bar e restaurante Salada Record

Mix, podi mandá "uma" aí?

Follow by Email