sábado, 20 de novembro de 2010

O rock nunca morre no coração dos rockers de fé: apresentação do Carl Palmer 19/11/2010


Ontem eu matei o serviço pra curtir o bom e velho rock. tinha um dia guardado, a tendência era o esvaziamento, então não pestanejei, por um bom motivo. Quem nasce pra coisa não tem jeito, não nega sua natureza, pode até rifar a própria calça, pra fazer uma coisa que curte. Ainda mais pagando meia entrada, tô dentro. Comigo não tem jeito, tenho um trampo para manter as coisas no mínimo, mas também tenho que alimentar os vícios de vez em quando. Pois um homem que não tem vícios não é nada, é um fraco, como já dizia o Zé Gê. E um vício meu antigo é o rock, desse não abro mão. Não sou chegado em nenhum destes tipos de ascetismos franciscanos ou budistas, que negam o mundo. Sou um apegado, confesso mesmo, e gosto disso, não nego meus instintos e paixões, faz parte da vida.
Esse novembro tá cheio de coisas boas pra curtir, não dará para ver tudo,  com certeza. Entre os que não  vou poder curtir,  Lou Reed, cujos ingressos acabaram em duas horas pra hoje e amanhã, e ainda hoje rola  o Creedence Clearwater Revisited. E amanhã e segunda rola o McCartney, que lotou  e esgotou nos primeiros dias- estes superconcertos de estádio não tem me agradado muito, tenho preferido apresentações em locais menores, mais intimistas com o público. Sem contar o preço, que pago metade e dá para ir em mais três ou quatro.
Eis que ontem encarei aqui perto de casa, no clube Carioca, a apresentação do Carl Palmer.  Era um trio muito bão, com um guitarrista competente pra fazer as vezes do teclado de Keith Emerson., e o baixão poderoso, formando uma cozinha tanque de guerra com as baquetas do mestre, mas ao mesmo tempo melódico. Tenho boas memórias que já contei, o Trilogy (1972), que o pais do Daltão tinha e emprestava pra conferir. Eu curti pacas, depois fui achando outras bolachas, o vídeo do Pictures, sem contar algumas coisas mais recentes com o advento dos dowloads, como os mp3 do The nice, grupo anterior do Keith Emerson. 
Eu já havia conferido o cara na apresentação do ASIA em 2007, e foi supimpa, mandaram músicas dos grupos dos grupos que os membros participaram (Yes, King Crimson e Emerson, Lake and Palmer). Só que foi apenas uma ou duas, no máximo, a maioria os hits hollywood do Asia, que também tem sua importância.
Chamei uma dose de um Domecão no bar do lugar, tava tão sossegado aquele clima, pouquíssimas pessoas foram conferir, que deu pra ficar um tempo sentado. Logo ele mandou na segunda ou terceiro numa versão demolidora a sua versão para "Peter Gunn", uma e outras Toccatas e Fanfarras. Mandaram a própria "Trilogy", executaram o disco ao vivo só no instrumental "Pictures at an Exhibition", além das firulas, em que o baixista tocou as harmonias e a própria melodia de "Bohemian Rapsody", do Queen. Matou a pau.  Lá para o final, fui para frente, tava vazio demais. Ainda voltaram para tocar a Carmina Burana e uma composição de Tchaikowski. Pra quem esperava que fosse tocar os hits medalhões, como Lucky Man, From the Begging e C´est La vie, por exemplo, saiu insatisfeito, pois ele mandou um set mais obscuro, técnico e conceitual, por ser instrumental. O que não significa que foi ruim. Muito pelo contrário, sai satisfeito e com a alma lavada depois de quase duas horas. Ainda vem mais pela frente, podeixar que farei um apanhado dos próximos, como o Jeff Beck e o Yes, que ainda vem pela frente, sem contar a volta do Twisted Sister em terras tupiniquins.

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Um prisioneiro político

Eu estava lembrando daquela leitura fantástica e cadenciada feita pelo Willer das Revolutionary Letters, da Diane di Prima. Cheia de ritmo. E fiquei lembrando deste final de ano, dos estudantes agitados atrás de suas carteiras, falando comigo, alguns dando risada, conversando, aprontando milhares, jogando giz um no outro, fazendo guerra de papel, ou simplesmente conversando comigo trocando ideiais pineis emprestando livros e tudo mais e lembrei deste trecho, ao efeito de remédios, bem como de um desenho bem doido que me foi dado por uma estudante, a Camila. Todos somos prisioneiros políticos, libertem-nos desta mediocridade e deste marasmo, Lebiertem-nos, DANCEM!

(...)
Every kid in school a political prisoner
Every lawyer in his cubicle a political prisoner
Every housewife a political prisoner
Every teacher lying thru sad teeth a political prisoner
Every indian on reservation a political prisoner
Every black man a political prisoner
Every faggot hiding in bar a political prisoner
Every junkie shooting up in john a political prisoner
Every woman a political prisoner
(...)
 
(...)
Todo garoto na escola um prisioneiro político
Todo advogado em seu cubículo um prisioneiro político
Toda dona de casa uma prisioneira política
Todo professor mentido através de dentes tristes prisioneiro político
Todo indio em suas reservas prisioneiro político
Todo negro prisioneiro político
toda bicha escondida em um bar prisioneiro político
todo junkie picando-se no banheiro prisioneiro político
Toda mulher uma prisioneira política
(...)

Diane di Prima, Revolutionary Letter, 49

domingo, 14 de novembro de 2010

Um cão do mato irado

é um tanto confuso e horripilante
fugir da polícia ao expor discos à venda
às 8 e 30 da matina na praça pública
Sem demagogia, há mais experiência e sapiência
naquele que faz e pratica
O saber rima com o experimentador do sabor
Os riscos tombos arranhões as carnes laceradas
o gosto da cachaça a fumaça santificada
Ser o lobo da estepe
estar à margem da sociedade
o lobisomem
é algo hoje mais integrado possível
o bandido
a prostituta
o lumpen ou subproletário
o louco
o pirata
a contracultura
foi assimilada e integrada
rende royalties e copyrights
direitos de direita
estou à esquerda dos direitos
copyleft
não preciso ser um lobo do mar
ou um vagabundo de vagões
nem bancar o lobo da estepe
em harley davidsons sem destinos
à mardy grass com os pés na estrada
like a rolling stone
sou um sujeito urbano
com o martelo na mão
consertando
algo em casa
rilhando os
dentes
um lobo irado
com recaídas caipiras
um cachorro do mato
mais matuto
do que esses que fazem tipo
e sequer são astutos
não sabem mergulhar em um poço
ou nadar em um açude
ou subir em árvores de jambolão
lambuzar-se nas argilas de uma boçoroca
ou fazer fogueiras improvisadas
ou amar na rua em pé
ou qualquer outra dessas coisas
aprendidas
na
raça

Seguidores

Pilotando a banheira do Manoel nas dunas

Pilotando a banheira do Manoel nas dunas
seguindo após Pitangui até Muriú-RN

Tatoo you

Tatoo you
Woman of night; Strange kind of woman; Lady in black; Lady evil; Princess of the night; Black country woman; Gipsy; Country Girl

Caricatus in 3X4

Caricatus in 3X4

Outra caricatus

Outra caricatus
Desenhista do bar e restaurante Salada Record

Mix, podi mandá "uma" aí?

Follow by Email