quinta-feira, 29 de maio de 2014

Internarei-me no hospício junto com meus grandes amigos
Sérgio Sampaio, que loucura, aquele que estava doente do peito, 
maluco da ideia, amigo do Raulzito
Do Carl Solomon, De Repente, Acidentes
Aquele, amigo de Ginsberg
"que jogara salada de batata em conferencistas da Universidade de nova York sobre dadaísmo"
Ou no seu grande mestre Antonin Artaud
Recusara à Razão, vale mais o instinto e o corpo
Todos anjos seráficos,
Meu amigo Van Gogh, que cortou sua orelha
Suicidado da sociedade
esta que aparta por que não compreende os loucos
estes que apenas recusam suas leis.

Sofia Bella

Nos seus olhinhos de neném vejo a inocência perdida
Como tudo é tão mais fácil minha pequena filha
As lembranças dos tempos perdidos, da doçura
Da delicadeza, do cuidado, coisas que entrevejo e lembro
de todo o cuidado e afeto que tive e lhe compartilho
nos seus pequenos olhinhos e lhe desejo
a sabedoria dos amigos loucos do papai, de um Goethe,
de um Nietzsche, Walt Witman, todos amigos do seu papai
o círculo dos loucos amigos que sempre o acompanharam
e que fazem muita falta, dos seus amigos do sítio do Picapau amarelo
saudades do tempo e da pureza que vejo em você, minha menina.

terça-feira, 27 de maio de 2014

Sou o poeta vagamundo, vagabundo
Na beira da estrada, à espera de carona
Mesquinharias apequenam minha alma
Meu espírito livre
É grande demais para misérias do cotidiano
Quero trocar uma ideia com os loucos e marcianos
Que falam sobre coisas
Fora do comum
Falam sem parar até cansarem as suas línguas
Sobre os abismos existenciais da alma
Como fazem meus amigos Bandini ou um Chinaski,
ou um Miller ou mesmo Ginsberg
Coisas que interessam à vida,
que dêem um pouco de graça
e façam sentido
ao humano, demasiado humano
Neste tédio da vida
Águias não foram feitas para voar baixo ou sonhar pequeno
Quero viver com Zaratustra, sumir para o clima hiperbóreo e gélido do alto das montanhas
Sair no mundo feito Sidarta Gautama Budda, um Lobo da estepe,
São Kerouac viajante solitário,
ou um Che Guevara - o Jesus Cristo dos acostamentos
Não me aprisionar em uma camisa de força por coisas banais
Muito menos em um jaleco ou paletó que é menor que meu número
Já bastava o pai do Raul, que lhe dava 36 e ele calçava 37
Desregramento dos sentidos
O caminho do excesso é que traz as iluminações na vida
Como ensinaram Rimbaud e antes dele, William Blake
Sou bicho, fera , não gosto de viver enjaulado
Muito menos em uma redoma, sou pássaro
Que morre em cativeiro
Prefiro a amizade com as cobras, lagartos, escorpiões, aranhas
Uma naja ou uma víbora entrelaçando suas línguas à minha
O sono do ópio ou do haxixins de Morfeus, in vino veritas
Da morte que me libertará
O espírito
Deste corpo limitado
Para o descanso dessa mediocridade

Seguidores

Pilotando a banheira do Manoel nas dunas

Pilotando a banheira do Manoel nas dunas
seguindo após Pitangui até Muriú-RN

Tatoo you

Tatoo you
Woman of night; Strange kind of woman; Lady in black; Lady evil; Princess of the night; Black country woman; Gipsy; Country Girl

Caricatus in 3X4

Caricatus in 3X4

Outra caricatus

Outra caricatus
Desenhista do bar e restaurante Salada Record

Mix, podi mandá "uma" aí?

Follow by Email