sábado, 3 de setembro de 2011

Num conflito insolúvel pra lá de edípico
Ouço vozes retumbantes de além terra
A menina de olhos de turmalina acastanhados
Desfaz o novelo de sua psiquê
Manjada reverberada no suco
Eu vejo o leite escorrer na seiva da árvore
E toda transcendência e mutação
Vê a mulher que chora no canto do quarto
E eu choro pelas noites mal dormidas
Pela menina com seu bebê sonhando
A proteção uterina contra fantasmagorias
com olhos em brasa que apertam seu pescoço

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Aquela menina
                       É pura explosão
Tem sangue nos olhos
                       Bebe nitroglicerina
Seus punhos são dinamites
                          Você passa maus bocados agradáveis
Em sua companhia
                           A tensão é permanente
Deixava muito homem
                                                                      no chinelo
Trincando copos de uísque e caipirinha
                                                            um após o outro
                    Deixava muito marmanjo derrubado na mesa
Não sei o que é pior
                                      o seu silêncio que diz tudo
ou a
                          sua ausência
Que se faz presente
                         a cada dia mais
As coisas
                      ficaram
do modo que
                     querias
Batalhei
                     contra o destino
inexorável
                      Você já tinha decidido
Fugiu da reta
                             na hora hagá
Não foi até as
                          últimas consequências
Tudo é inefável
                         Não há mais palavras
para expressar
                         Nem raiva ou resséntiment
Você continua a ser
                               a melhor de todas
Nunca acreditei em happy ends
                      Foi do modo que você pensou ser
Não quis mudar a papelada e 
              seus rabos presos com 
contratos préestabelecidos
               Deixando esperando com a chave
da casa na mão
Com seu sim que na verdade foi um não
                                Fica uma pálida lembrança
Dentro de minha pessoa
           Nem tenho mais notícias de você
 Você fugiu em navios desérticos
                                                Pra você eu fui só uma parte
                            Pra eu Você foi Tudo e 
mais 
       um 
             pouco                
A noite de garoa açucarada
                                         Traz lembranças e lixos da memória
Damas da noite cheirosas
                                           Dançarinas contorcendo-se no seu colo
num claro enigma
                          Álcool corroendo suas entranhas
                                                                                 Vício pela noite
A escravidão liberta das ciganas
                                              Na hora que bem querem
Alimentam seus bebês
                                Pagam seus aluguéis
Rumam pra qualquer canto
                                          do Brasil e do mundo
Gemem sua dor
                        a história de seu
personagem noturno
                                                         a visão
flanando pela
                             cidade
'dos infernos
                                           esfumaçados
pronto para
                   a visão da
buceta
              final
que
                              devorará
seus
                     caralhos &
colhões




A santificação acontece pelo sacrilégio
                                                           da carne
através da licenciosidade
                                      pecaminosa
                                             da orgia de bacanais
O tabaco
                  os álcoois
                                                a vertigem
Todas contam
                              suas histórias
a lábia
              doce
Não
                          prenda e
não 
      se 
       prenda 
                a
                  uma
                     ave 
                           noturna
                                       voadora
ela é livre
                 de todos
e
       de
            ninguém
                         sua
                               aparente
escravidão
                                      tem mais liberdade
                  e brilho
nos olhos
                          Não tente
             aprisioná-las
                            com seu amor
Ainda que ela diga sim
                                 você deve entender como um não
Apenas putas e poetas
                                           podem se contradizer
                      Viva pequenas
aventuras
                      matreiras e cheias de vida
da vadiagem
                                      errante
                    cigana e
noturna
            São
                   do mundo
Aceitar
                isso
é
 necessário e
                    demonstra
                                    sabedoria
de vida
Essas garotas não dormem sem dar o seu último disparo
                                  Elas não te deixam dormir em paz
Fazem de tudo menos traficar roubar e matar
                                        Pensam que você chupa limão
Depois descobrem
                                        Que você é mais doido que elas
todo mundo é sério, menos eu
                                     Algumas tem mais classe e estilo
que madames e dondocas sem sal
                                Olhava pra um par de outras coxas
E viu a calcinha da mulher de branco
                                   Ela deu risada e com seu cinismo
Constata que suas chances são nulas
                            Você demorou demais e perdeu tempo
De bate e pronto responde:
                                          Não tenho pressa pra gozar
Ela se arrebenta de rir
                                        Mas só aquela menina
Magra
          Fumando
Seus cigarros
                     Feito
barking
              pumpkin
É que sabe
                  te derrubar
 feito
                   um touro 
indomável
                 Possui tua alma
feito 
       uma
sacerdotisa 
                mediúnica
Sabe mordiscar teu queixo
                                         e te deixar 
louco
       com seus beijos
ardentes de
              paixão
e sua boceta
             te deixa
                      em brasa voando
feito um moleque
                          pirado por todas 
                        as noites a fora
Pelo tesão
               Daquela voz rouca
Sussurrando
                  Um fraseado
No seu ouvido
                     e do perfume
inesquecível
                  o cheiro de sua
xoxota
            na calcinha
        acompanha por várias
noites
           Por mais que você se esforce
               deixe outras mulheres em pólvora
Com a explosão da mordiscada
No pescoço
                 Com charme irresistível
Sempre será aquela
                    Que te apunhala
E põe panos
                  Pra secar
              o teu
                       Sangue
que
       te domina 

Só aquela marginália
                               Cuspindo fogo nos chimbadores
             Disparando seu gritos histéricos
Descargas elétricas
                          De fodas orgiásticas
Tem o brilho da liberdade
                                Cravado nas suas tatuagens de bandidas
Tua vida não vale nada
                                 Joga fora tudo o que você aprendeu no lixo
Você é um velho chato e carrancudo
            Ela pode partir a hora que quiser
Se escafeder desse pra qualquer
                                            Canto do Brasil ou do mundo
Não tente aprisionar
       um
pequeno colibri
                         numa gaiola
Ainda que
                Ela
Diga
      Que só é
Feliz
      Com
você

O brilho está
                   No fato
Dela ser tua
                   E de todos
Os outros
              Essa é
A
   Graça
da
coisa
        Ainda que
                       Você
Seja um tarado
                      lírico
Romântico e
                Faça
De tudo e mais
                      um pouco
            Para
Tê-la
e
            venda até
Sua cueca por ela
                            Mesmo que faça
                até o capeta gritar
                                          E bata
Mil punhetas
                   No fundo do busão
Pensando nela
                       Isso
                      Não importa
Picas alguma
                    E nem
Vem
        Ao
 caso
             Você


empre será

um
    mal jogador
e um
       bom perdedor

Seguidores

Pilotando a banheira do Manoel nas dunas

Pilotando a banheira do Manoel nas dunas
seguindo após Pitangui até Muriú-RN

Tatoo you

Tatoo you
Woman of night; Strange kind of woman; Lady in black; Lady evil; Princess of the night; Black country woman; Gipsy; Country Girl

Caricatus in 3X4

Caricatus in 3X4

Outra caricatus

Outra caricatus
Desenhista do bar e restaurante Salada Record

Mix, podi mandá "uma" aí?

Follow by Email