sábado, 29 de agosto de 2009

O lumpesinato invadirá casas, tomará tudo: banquetes de mendigos com seus trapos, putas e viados, presos e bandidos tomarão o mundo de assalto


Tá dificil visulizar algo, pra que os escorraçados, loucos, mendigos, os muambeiros, camelôs, as michês, as putas, os deserdados de tudo, os sem-teto e sem-tudo cheguem a tocar um foda-se nessa merda. Só eles podem mudar tudo, pois não tem nada a perder. Até mesmo a classe operária chegou ao paraíso e gostou, portanto, só quer reformá-la, se é que quer de verdade. Gostou das lambanças, das pizzaiadas e operações abafa, do uísque e das calcinhas cheirosas das republiquetes verdadeiros bordéis em Brasília-DF guardadas por tantos caseiros Francemildos ou mesmo o próprio Senado, bordel maior da farra do boi. OS bordéis são mais legais que o Senado, ao menos não disfarçam e nãose fazem passar por um convento de freiras. No final acabou parecido com a burguesia que dizia lutar contra. Ao menos como diria o Buñuel em seu bom filme, esta ainda tem um discreto charme. Longe de mim qualquer pouquinho de ranço moralista quanto a isto (esta doença que atinge as pessoas), pois os trabalhadores tem que ter do bom e do melhor mesmo, já não basta fritar o saco ou triturá-lo num trampo maçante sem poder se divertir um pouco. Mas a acomodação e a adesão é mais que visível, a falta de crítica e inconformismo quase inexistem. Quanto maior o cargo ou o posto, maior o rombo, como diria o velho Exageraldo.

quinta-feira, 27 de agosto de 2009

Correr o risco ver o brilho das facadas dialéticas
que passam na frente de sua cara e as facadas tentando pelas costas
ver os sorrisos amarelos, as caras de curiosos e interessados
tirar um barato de isso tudo e exibir um sorriso largo e tranquilo
divertir-se com a molecada que gosta de imagens&vídeos&sons
que sempre fica do seu lado quando o pau quebra
pode contar com a rapaziada
que você não torra a paciência
Ver o lamaçal, passar por cima dele
sem chafurdar na lama, ainda que brinque
e ainda assim não ser uma freira virgem num convento

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

O negociador

Às vezes é bom sumir daqui. Quando estou sumido, o sinal é bom, porque estou mandando ver. Quem escreve demais ou não faz nada ou exagera um pouco mais na imaginação, inventando as coisas por ficar escrevendo, não tem tempo de viver. Reparei isto faz tempo. São a classe ociosa, parasitária, isso é assim desde os escribas do Egito até um monte de burocratas hoje em dia. Sou mais um incendiário, mais um jogador de coquetel molotovs do que um escrevinhador. Prefiro estar lá, no centro, no furacão das coisas, no vórtice dos acontecimentos, jogando pedradas nas vidraças, ao invés de ficar contemplando e inventando histórias que nunca existiram. Nada contra o platonismo, mas prefiro comer a maçã do que ficar admirando sua idéia. Prefiro estar mandando bala na agulha, correr o risco, suar a camisa, do que ficar apodrecendo e vendo o tempo passar.
Ah se eu não gostasse eu já teria parado. Só escrevo mesmo de pirraça, quando não tenho nada para fazer ou estou pensando no que fiz. E nem estou preocupado em escrever pra agradar alguém estou pouco me lixando, pois só escrevo pra aliviar os meus nervos mesmo, e para poucos. Eu sei que isto é para os fracos, desistir cedo. Por isso que insisto. Bem que tentaram me comprar, mas nem de longe conseguiram. Ainda hoje tentaram, com telefonemas tentadores, mas eu não me rendi. Eu gosto mesmo de ser um estrategista, eu gosto de ver os outros balançando e se coçando, com pulgas atrás da orelha, para saber com nós conseguimos fazer as paradas sem ter nenhuma grana. Tem gente que fica muito incomodada com isto, e consigo achar muita diversão. E ainda por cima oferecemos as melhores idéias e propostas.
Nem estou preocupado ou estou falando que os outros devem fazer o mesmo que eu faço. Nem pesar, nem de longe. Tem que ter muito saco e predisposição, e se foder legal. Não tem graça nenhuma. Platão e Aristóteles diriam que tem que ser um pouco louco. Um bocado dionisíaco. Sempre vejo todo mundo tirar o seu da reta, mas como cabra macho, sei que alguém tem que meter a mão na merda e bancar algumas coisas. Na maioria das vezes, acabamos por nos atolar todinho nela, pois ninguém tá a fim de levantar a bunda da cadeira até mesmo para seu próprio benefício.
Já perdi a conta de tanto tempo que nem vou em dentista ou oculista, e não tem nada a haver com falta de grana, pois sempre se dá um jeito, tem o SUS no Hospital das Clínicas ou o servidor público estadual. Você acaba se esquecendo destas paradas, as coisas vão passando, nem sou nenhuma Amélia, tenho minhas vaidades, mas a vida não se resume a elas. Ainda assim sou bonitão, estou por cima da carne seca. Que manja das coisas sabe consegui-las, sabe conquistar a parada, tem o dom de negociar, consegue sempre algo mais do que pede, sem dar algo a mais por isso. Um bom barganhador, pois todas ganham também com isso.
Só passo nos botecos de pirraça. Prefiro ir, ao ver os outros escrevendo sobre eles. E mesmo no lazer, ninguém é de ferro, tenho que ver minhas músicas de vez em quando. O que eu gosto e quando dá tempo, tô lá na fita. Prefiro estar nos balcões, nos bancos giratórios de bares de drinks no inferno, ainda que nem seja mestre ou profissional de carreira na coisa. Quem é mestre na coisa tem o direito de enrolar, eu não. É meu lazer, e o meu lazer é sagrado. Só para tirar uma onda, esquecer e me afundar. E como meu toca fitas tá quebrado, não ando com mp3 ou qualquer coisas destas, eu tenho um toca discos na cabeça que toca John Coltrane, Billie Holliday, Charlie Parkie ou um solo de baixo do Scot La Faro. Ou mesmo um Santana e John Sebastian, que ouvi lá em Embu das artes neste final de semana.

E eu estou sacando cada vez mais
sobre Iansã Oxossi Ogum
por conta do meu amigo
Eu vou ouvindo Fela Kuti
e dançando ao som de atabaques
minha proteção buscar
não vou mais de peito aberto

Seguidores

Pilotando a banheira do Manoel nas dunas

Pilotando a banheira do Manoel nas dunas
seguindo após Pitangui até Muriú-RN

Tatoo you

Tatoo you
Woman of night; Strange kind of woman; Lady in black; Lady evil; Princess of the night; Black country woman; Gipsy; Country Girl

Caricatus in 3X4

Caricatus in 3X4

Outra caricatus

Outra caricatus
Desenhista do bar e restaurante Salada Record

Mix, podi mandá "uma" aí?

Follow by Email